Maria Ivone Vairinho e Poetas Amigos

Agosto 28 2010

 

 

Sem querer abusar da vossa paciência (afinal só lê quem quer) queria divulgar uma das Coroas de Sonetos que fiz até hoje.

Regras de uma Coroa de Sonetos:

- tem 14 sonetos
- cada soneto inicia-se com o último verso do anterior
- o 1º verso da Coroa é igual ao 196º e último. Isto é, a Coroa dá a volta e termina como começou.

Fica aqui o desafio a quem quiser tentar.


SE O CORAÇÃO FALASSE, O QUE DIRIA?”


(Coroa de Sonetos)


1.

Se o coração falasse, o que diria?
Que sons transmitiria lá do fundo?
Palavras só de amor que com magia
Fariam que nascesse um melhor Mundo?


E a partir daí, como seria?
Teria maior calma o furibundo?
A desejada paz nos chegaria
Levando-me este anseio em que me afundo?


Será que tais palavras lá nascidas
Dariam outro rumo às nossas vidas
E surgiria um Mundo menos louco?


Não sei! Que coisa tal nunca se deu
Se o coração falasse... e pelo meu
Deixem-me analisar aqui um pouco.


2.

Deixem-me analisar aqui um pouco
Que não é fácil dar minha resposta
Diferente o falar dum coração louco
Desse outro coração de que se gosta


Aquele falaria sem ter troco
Palavras sem sentido a dar à costa
Deixando-me o tal gosto de ser mouco
Que não é de loucuras minha aposta


Mas quanto ao coração de boa gente
Eu ficaria em modo bem diferente
Escutando bem atento a qualquer hora


Bons termos registando; e “reveria”
Quem tanto me ensinou desde esse dia
Em que tive no Mundo a minha aurora.


3.

Em que tive no Mundo a minha aurora
E aquela doce mãe ou doce fada
Rompeu a ensinar-me vida fora
Que desde o arrebol, na madrugada,


Devemos consolar sempre quem chora
Por gestos, por acções, palavra dada
E nunca virar costas, ir embora
Sem ver a sua alma confortada


E à noite quando a cama nos espreita
Pensarmos para nós "tenho obra feita
Porque ajudei alguém que estava triste"


Os sonhos a surgirem bem melhores
Azuis, de verde esperança, multicores
Onde um sorriso a vir nunca resiste.


4.

Onde um sorriso a vir nunca resiste
Ficando a nossa alma comovida
Pois vê que o nosso qu’rer, no Bem persiste
Que o aprendemos bem logo à partida


O coração diria "tu já viste
A luz que dá mais luz à nossa vida?
É isso meu amigo, ela consiste:
Em dar a mão aos pobres na subida


Esses que pouco têm, por desgraça
Por quem o Sol às vezes não lhes passa
A quem a vida pouco ou nada deu


Mas com o nosso amor, a nossa ajuda
Decerto alguma coisa neles muda
Tornando-lhes a Terra nalgum Céu."


5.

Tornando-lhes a Terra nalgum Céu
Quem sabe se em pequeno Paraíso
Que aquele pouco apoio que se deu
Lhes foi tão precioso, tão preciso…


Mudou algum conceito que era seu
Em pouco? Isso é que já não ajuizo
Certo é que agimos bem, aconteceu!
É só nestas palavras que repiso


Se o coração falasse (o mais sensível),
Talvez o que não tem do senso o nível
Escutasse aquele sempre, até mudar...


Pra que esse melhor Mundo nos surgisse
E a função dos Homens se cumprisse
Que só pode ser uma e é AMAR!


6.

Que só pode ser uma e é AMAR
Embora o homem esqueça tanta vez
Será essa a razão de cá se estar
(Propósitos de Quem o homem fez)


Mas muitos no oposto, a odiar
Ganância que lhes há, insensatez,
Prosseguem nesses ódios, a matar
E tréguas… nem um ano, nem um mês!


Ah… gente mais que fera, de tão louca,
Que para triunfar outros apouca
Mantendo-lhes o sol sempre encoberto


Teria mesmo voz, tal coração?
Falasse... ouvir-se-ia algum trovão
Sem nada se entender, inda que perto.


7.

Sem nada se entender, inda que perto
E sem poder medir em decibéis
De gente que duvido do conserto
Amante mas do ouro e seus anéis


A menos que o falar cadente, certo
Dos outros corações, de amor fiéis,
Lhe conferisse algum pequeno acerto
Mostrando no carinho melhores leis


Mas é da minha parte conjectura
Talvez o meu anseio na procura
De tal carinho e paz, dessa bonança


Valores que prezei sempre na vida
Duma alma que ensinaram ser sentida
Dum chá do qual bebi logo em criança.


8.

Dum chá do qual bebi logo em criança
Mesmo vindo dum berço algo singelo
E sempre, até agora, não me cansa
A mente a tais valores fazer apelo


Por isso nunca perco a minha esperança
De ver Mundo melhor, algo mais belo
Incuto sempre aos outros confiança
Falando do que guardo em meu castelo


E tanto de amizades que arranjei!
Por todos os valores que mostrei
Provando que cá estão, na minha ideia


À qual bons ideais sempre lhe afluem
Umas muralhas fortes que não ruem
Diferentes de castelos, os de areia.


9.

Diferentes de castelos, os de areia
Os tais que se constroem pela praia
Que em vindo uma mais forte maré cheia
Nunca se evitará que tudo caia


Fosse alma e coração parede meia
Tendo ambos, do amor, a nobre laia
Teria um outro gosto a nossa ceia
E todos dormiriam em cambraia


Seria mais suave o nosso sono
Sabendo nunca estar ao abandono
Pois todo era um amigo ou um irmão


Depois ao despertar, no outro dia
Um sol igual pra todos surgiria
Todos vivendo em paz, em união.


10.


Todos vivendo em paz, em união
Sabendo haver amor na plenitude
Cantando-lhe algum hino o coração
Já que ele de cantar tinha a virtude


Esse hino, ou hipotética canção
Eu penso tanto neles, amiúde...
No belo que haveria em seu refrão
E isso dá-me força! Até saúde!


Meu querido coração que tanto acusas
Vontade de ver tal... e minhas musas
Ajudam a contar-vos tudo isto!


Eu pouco desfaleço em contratempos
Aguardo com esperança outros momentos
Que me sejam melhores. Não desisto.


11.

Que me sejam melhores. Não desisto.
(Não traz nada de novo a desistência)
Vejamos o exemplo que houve em Cristo
Que nunca recuou vendo inclemência


Será 'ma teimosia tudo isto?
Como se erguesse empresa na falência?
Mas é nesta vontade que persisto
Perdoe-se-me alguma eloquência


Que sempre pelo Bem me pronuncio
O pensamento nele horas a fio
Fazendo dos meus ganhos o balanço


Às vezes também pesa a consciência
Ou porque já vivi má experiência
Ou porque pouco andei e pouco alcanço.


12.

Ou porque pouco andei e pouco alcanço
Ou porque sou mortal e também falho
E quando estou sozinho em meu remanso
Creiam que até comigo também ralho


Não ajo sempre bem, nunca afianço
(Afiançar seria um mau trabalho)
Palavras há sem querer que às vezes lanço
Ou gestos impensados, por atalho…


São erros de que assumo a minha culpa
Quando por eles dou peço desculpa
Tentando não voltar a repeti-los


Nós vendo que não temos perfeição
Devemos respeitar na aceitação
Essoutro que nos mostre bons estilos


13.


Essoutro que nos mostre bons estilos
Conselhos que por bons a gente aprenda
Mas nunca os aceitar de “crocodilos”,
Que julgam ver a nossa alma à venda


Nós somos professores e pupilos
Que a nossa mente sempre a isso atenda
Na calma em nossos gestos mais tranquilos
É que um amigo enorme se desvenda


E enquanto a gente vive, por cá anda
Saber que há muito vento que ciranda
Mas uns são leve brisa, outros tufões


Tirar dos que se pode algum partido
Olhar d'onde eles sopram, seu sentido
Saber quais os que trazem ilusões.


14.


Saber quais os que trazem ilusões
E distinguir os ventos da verdade
Que aquecem sempre os nossos corações
Na paz e no amor. Na lealdade


Mudando pra melhor nossas feições
Que o coração recebe-os com vontade!
Fizessem desse modo multidões
Seria um Mundo em paz na liberdade!


Eu penso que é possível, que se pode
Que cada um de nós não se acomode
Julgando que tal Mundo é utopia


Acerca do que deixo aqui escrito
São ecos do sentir... talvez o grito
Se o coração falasse, o que diria.


Joaquim Sustelo
(editado em RAIOS DE LUZ)

 

publicado por tardesdeoutono às 10:34

Sem palavras, para exprimir a minha admiração
De um ideal de liberdade, sempre presente
Em tudo o que escreve com tão simples precisão
A que só pode ficar alheio, quem não sente

Sou um velho marinheiro, já cansado
Deste mar da vida em tempestade
Nascido nesse Alentejo que é passado
Em criança, promovido a homem sem idade

Os seus escritos, iluminam a minha estrada
Percorrida por tanto mártir, no esquecimento
Bem digo, essa sua solidária caminhada
Tão presente, eloquente, em todo o momento

Dos dotes de Poeta, de que é dono
Posso expressar-lhe a miha admiração
No que escreve nas terdesdeoutono
Com a verdade e justiça em 1ª mão


Bem haja
As minhas cordiais saudações

severino a 28 de Agosto de 2010 às 12:28

Este blogue está aberto aos co-autores e Poetas Amigos de Maria Ivone Vairinho
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
14

15
16
19
21

23
24
25
26
27

31


links
pesquisar
 
Tags

11 poemas inéditos de carlos cardoso luí(1)

25 anos app(11)

ada tavares(18)

adriano augusto da costa filho(39)

albertino galvão(11)

albina dias(18)

alfredo martins guedes(2)

ana luísa jesus(4)

ana patacho(3)

anete ferreira(3)

antónio boavida pinheiro(22)

app(5)

armindo fernandes cardoso(3)

bento tiago laneiro(5)

carlos cardoso luís(13)

carlos moreira da silva(2)

carmo vasconcelos(22)

catarina malanho semedo(2)

cecília rodrigues(48)

cláudia borges(8)

dia da mãe(8)

dia da mulher(9)

dia do pai(6)

donzília martins(8)

edite gil(68)

elisa claro vicêncio(4)

euclides cavaco(100)

feliciana maria reis(4)

fernando ramos(20)

fernando reis costa(3)

filipe papança(11)

frances de azevedo(2)

gabriel gonçalves(14)

glória marreiros(20)

graça patrão(6)

helena paz(15)

isabel gouveia(3)

jenny lopes(11)

joão baptista coelho(1)

joão coelho dos santos(7)

joao francisco da silva(4)

joaquim carvalho(3)

joaquim evónio(9)

joaquim sustelo(70)

judite da conceição higino(4)

landa machado(1)

liliana josué(45)

lina céu(5)

luis da mota filipe(7)

manuel carreira rocha(4)

margarida silva(2)

maria amélia carvalho e almeida(6)

maria clotilde moreira(3)

maria emília azevedo(5)

maria emília venda(6)

maria fatima mendonça(2)

maria francília pinheiro(3)

maria ivone vairinho(14)

maria jacinta pereira(3)

maria joão brito de sousa(69)

maria josé fraqueza(5)

maria lourdes rosa alves(4)

maria luisa afonso(4)

maria vitória afonso(8)

mário matta e silva(20)

mavilde lobo costa(22)

milu alves(6)

natal(16)

odete nazário(1)

paulo brito e abreu(6)

pinhal dias(9)

rui pais(8)

santos zoio(2)

sao tome(10)

susana custódio(15)

tito olívio(17)

vanda paz(23)

virginia branco(13)

todas as tags

blogs SAPO